‘É rezar para ter comida na mesa’, diz beneficiária que sacou última parcela do auxílio emergencial; filas continuam em agências da Caixa

12

Desempregada há três anos, Marileide Inácia, de 57 anos, sacou a última parcela do Auxílio Emergencial nesta quinta-feira (18), após enfrentar fila na agência da Caixa na Encruzilhada, na Zona Norte do Recife. Como não está inscrita no Cadastro Único, sabe que não vai receber o Auxílio Brasil, novo benefício do governo federal que substitui o Bolsa Família.

“É rezar para ter comida na mesa. Natal, Ano Novo e essas coisas, não espero”, afirmou Marileide.

Com o fim do auxílio emergencial, a Rede Brasileira de Renda Básica, instituição que reúne professores e pesquisadores, calcula que 29 milhões de pessoas ficam sem qualquer renda do governo.

“Em casa, sou eu e meu marido. Ele já recebeu a última parcela do auxílio, também desempregado. Daqui para a frente, a gente vai ter que contar com a sorte e ajuda de Deus. Sinceramente não sei o que vai ser da gente, estou contando com a esperança de que meu filho consiga um emprego, mas de certeza mesmo [que temos] é só a falta de dinheiro e a dificuldade”, disse Marileide.

A partir desta quinta-feira, os nascidos em novembro e que estão fora do Bolsa Família podem sacar a última parcela do Auxílio Emergencial. Muitos dos que estavam esperando o dinheiro não sabiam o que fazer nos próximos meses e torciam para ter, ao menos, comida na mesa (confira mais abaixo).

Também foi liberado o pagamento do Auxílio Brasil para quem já recebia o Bolsa Família e tem o número de inscrição social (NIS) com final 2 nesta quinta. Quem tem NIS terminado em outros dígitos receberá ao longo dos próximos dias (confira calendário mais abaixo).

A mãe de Marilene dos Santos, de 34 anos, pediu a ela de Natal neste ano um botijão de gás. Assim como Marileide, ela contou que não vai receber o Auxílio Brasil. Marilene perdeu o emprego de vendedora em março de 2020 e, desde então, não consegue recolocação.

“O Natal a gente junta com o resto dos meus irmãos, cada um faz uma coisinha e a gente celebra o nascimento de Jesus, que é o mais importante. Não esperamos fartura, é só simbólico, é só para a gente lembrar de quem ama. Nesse ano, minha mãe quer que a gente se junte e dê um botijão [de gás] para a casa. Vamos ver se conseguimos”, relatou.

Durante a pandemia, o dinheiro do Auxílio Emergencial foi o que ajudou Marilene a cuidar dos pais, que têm 84 e 87 anos.

“O dinheiro que a gente tem é a aposentadoria do meu pai e esse dinheiro que eu recebia. Estou atrás de emprego desde que fui demitida, mas está difícil de encontrar. Quanto mais o tempo passa, mais parece que não tem mais onde trabalhar”, afirmou.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Pessoas entrando em fila na Caixa da Encruzilhada, na Zona Norte do Recife, nesta quinta-feira (18), segundo dia de pagamentos do Auxílio Brasil — Foto: Suzana Souza/g1

O mecânico de bicicleta, Adilson Arthur, de 47 anos, morador da Bomba do Hemetério, na Zona Norte da cidade, contou que recebe o Auxílio Emergencial desde a primeira parcela e veio em busca do último pagamento.

“Eu trabalho todo dia, sou autônomo, mas tudo está tão difícil. Teve uma melhora porque o pessoal começou a andar que só de bicicleta agora, né? Sem dinheiro todo mundo vai assim, mas é coisa pouca por dia, não dá para sustentar família não”, contou.

Pai de três filhos crianças de 5, 9 e 11 anos, o mecânico relatou que está preocupado com os próximos meses. “Mês que vem, a gente vai ver como vai ficar. Minha família nunca conseguiu o Bolsa Família, agora só posso esperar para ver o que vai ser da gente”, relatou.

Andrea da Silva é mãe de cinco filhos e foi sacar o Auxílio Brasil nesta quinta (18) — Foto: Suzana Souza/g1

Desempregada e mãe de cinco filhos com idades de 4, 7, 11 e gêmeas de 17 anos, Andrea da Silva foi em busca do Auxílio Brasil, liberado aos beneficiados com NIS final 2 nesta quinta-feira (18). Ela disse que não conseguiu fazer a consulta para ver qual o valor que vai receber agora com a mudança do benefício. Até outubro, recebia R$ 349 para cuidar da família.

“Esse dinheiro é tudo que eu tenho de certo. É com ele que compro o gás e o alimento dos meus filhos. Como eles estão na escola, a gente tem a ajuda da merenda também, mas é isso [Auxilio Brasil] que dá a gente o que comer. A última vez que comprei o gás foi quase R$ 100, não sobra nada. Eu vi que prometeram R$ 400, mas não sei se eu vou receber isso”, relatou Andrea.

Pessoas aguardando atendimento na agência da Caixa de Jaboatão Velho, no Centro de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife — Foto: Everaldo Silva/TV Globo

Em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, a agência da Caixa localizada em Jaboatão Velho, na área central do município, também registrou longas filas. No local, beneficiários denunciaram a venda de lugares na fila por valores de R$ 10 até R$ 20.

“Eu acheguei aqui eram 4h. Tive que comprar para poder ter meu lugar na fila. Eles me ofereceram assim que eu cheguei. O dinheiro vai fazer falta, mas preciso ser atendido logo porque ainda vou trabalhar. A gente tem que chegar cedo e ainda fica aqui passando por essa humilhação”, contou um homem que não se identificou.

Por volta das 7h15, a equipe da TV Globo viu a polícia chegando ao local para organizar a fila.

Quem vai receber?

Neste mês de novembro, o Auxílio Brasil será pago a quem já era beneficiário do Bolsa Família – exceto aqueles que, ao longo do mês de outubro, tenham deixado de atender as regras do próprio bolsa. Serão cerca de 14,6 milhões de beneficiários.

Quem recebeu o Auxílio Emergencial, mas não recebia Bolsa Família, não está automaticamente incluído no Auxílio Brasil.

Quem ainda não recebia Bolsa Família, mas está inscrito no Cadastro Único e atende os requisitos do programa, poderá ser incluído nos próximos meses, mas não há garantias nem prazos. O Ministério da Cidadania promete adicionar mais 2,4 milhões de beneficiários em dezembro.

Quem ainda não está no CadÚnico precisa se inscrever para ser considerado para o programa. Veja aqui como se inscrever.

EM RESUMO:

  • Se já tinha o Bolsa Família: Auxílio Brasil será pago automaticamente este mês
  • Se está no CadÚnico, mas não recebia o Bolsa Família: vai para a lista de reserva, e pode receber o auxílio no futuro, caso se enquadre nas regras do programa
  • Se não está no CadÚnico: é preciso buscar um Cras para registro, sem garantia de receber

Calendário de pagamentos

O pagamento do Auxílio Brasil, assim como era com o Bolsa Família, é feito pelo dígito final do NIS dos beneficiários.

Calendário do Auxílio Brasil  — Foto: Economia g1